Newsletter: (cadastre e receba novidades)
 
 
   
 
 
   
09/05/08
Segurança na entrada dos condomínios

Portaria e portões são pontos vulneráveis nos prédios

A forma mais utilizada pelos bandidos para assaltar condomínios é através do acesso pela portaria, como visitantes ou mesmo usando a violência para invadir. Às vezes se passam por entregadores ou até rendem empregados domésticos e moradores para entrar no condomínio. E os porteiros são facilmente dominados, já que estão (e devem estar) desarmados.
O fato é que a violência avançou a uma velocidade maior que a atualização dos arquitetos no quesito segurança, que a mudança dos hábitos das pessoas ou que a capacidade do Estado combater o crime. Nessa lacuna, surgiram empresas, profissionais e uma indústria de equipamentos visando a segurança de pessoas, instalações e empresas. É nesse segmento que podemos encontrar a solução mais adequada às necessidades dos condomínios residenciais.

Diante disso, podemos identificar os principais problemas atuais do acesso aos condomínios e sugerir sua melhoria:
Portarias próximas da calçada
Essas portarias são muito desprotegidas, pois qualquer estranho tem fácil acesso. O ideal seria efetuar uma reforma na portaria, provendo a mesma de vidros à prova de balas (com 35 mm de espessura) e de dispositivos passa-documentos e passa-objetos, por exemplo. Estes permitem a identificação dos visitantes e a entrega de objetos, correspondências e encomendas sem nenhum contato físico entre o porteiro (ou condômino) e o visitante.
Reforma na entrada
Como alternativa, as portarias podem ser reposicionadas a uma distância e local que permitam a visualização do interlocutor (via interfone) sem expor o porteiro. Após uma prévia - mas à distância - identificação do visitante, ele seria autorizado a passar para uma área intermediária (entre o portão externo e um outro interno). Esse recuo causa a perda da visão externa frontal do condomínio, mas que poderá ser completamente compensada com a instalação de um barato Circuito Fechado de Televisão (CFTV).
Garagens
Já o acesso dos veículos às garagens deve ser por dois portões automáticos, comandados pela portaria, que monitora tudo pelo sistema de CFTV, da seguinte forma: o primeiro por! tão abre, o veículo avança. O primeiro volta a fechar, o porteiro se certifica de que não entrou alguém junto com o carro e então libera a abertura do segundo portão.
Ausência de regras internas de segurança
A falta de normas que estabeleçam como os funcionários do condomínio e os condôminos devem tratar a questão de visitantes é outro fator de risco, que é aumentado pelo despreparo desses empregados do prédio.

Por isso, as empresas administradoras de condomínios têm que estar atentas à questão da segurança. Devem recrutar pessoas capazes, treiná-las e reciclá-las periodicamente e propor normas que melhorem a segurança do edifício. Se não houver empresa com esse perfil ou se o próprio condomínio efetuar a administração, as empresas e profissionais de segurança deverão ser procurados pelos moradores.

Dica do especialista
Atualmente os serviços de profissionais e empresas de segurança e os equipamentos estão disponíveis em todas as grandes cidades brasileiras. Os custos variam pela sofisticação e complexidade dos projetos. Na prática, as reformas e equipamentos necessários para uma boa segurança na maioria dos condomínios custam menos do que se imagina.
Por isso, procurem sempre empresas e profissionais competentes, com experiência e solidez comprovada, e questionem tudo. Além disso, deve-se reservar boa parte da atenção e, se necessário, dos recursos, à questão da qualificação dos funcionários do condomínio.

 

 
Protte Zeladoria - Todos os direitos reservados - Tel.:(12) 3622-4372